Webconferência com orientações para o mês de julho

    Nesta tarde, a equipe diretiva da 36ª CRE reuniu cerca de 150 Diretores e Coordenadores Pedagógicos de forma online, para instruir e repassar orientações a cerca da organização para o próximo mês.

    No mês de julho, o ensino remoto se dará no Modelo Híbrido, que mescla Aulas Programadas e também pela plataforma Classroom, (Google Sala de Aula), com conteúdos e atividades aos alunos. 

     Na primeira semana, ocorre a entrada na plataforma, além de atividades, vídeos e planejamento dos Professores. Na segunda semana, inicia a entrega das aulas programadas, além da ambientação na plataforma X Aulas Programadas. Nas demais semanas, as aulas programadas irão decorrer até o fim do mês sucessivamente.

    Até o momento, 36ª Coordenadoria Regional de Educação conta com um percentual de 86% de alunos logados no e-mail @educar, ultrapassando os 12.000 alunos.








Por: Lucas Junges

"Criar espaços de diálogo", diz o Coordenador da 36ª CRE em entrevista ao Jornal da Manhã



    
    Mais do que vencer o conteúdo programático, o grande desafio de escolas e professores em um ano letivo atravessado pela pandemia do novo coronavírus é criar espaços de dialogo para que os alunos possam aprender com a crise. Essa é a opinião do coordenador da 36ª  Coordenadoria Regional de Educação (CRE) Cláudio da Cruz de Souza.

    Segundo ele, a rede estadual dá continuidade ao processo de ambientação dos alunos e dos professores. "Estamos em fase de adaptação às aulas remotas, com professores e alunos se cadastrando e buscando se ambientar à plataforma Google Sala de Aula (Classroom) e já contabilizamos 100% dos professores logados com seus e-mails e os alunos alcançamos 60%”, informa Souza.

    A partir do dia 29 de junho, iniciam as aulas que utilizam a Matriz de Referência, definida por componente curricular de cada ano. Esta matriz será norteadora das aprendizagens para este novo modelo híbrido (presencial e não presencial). "O importante é que ninguém pode ficar para trás, e todos terão a oportunidade, seja agora ou quando retornar as aulas", diz o coordenador.

    Em um cenário de escolas fechadas há cerca de cinco semanas, ele informa que ainda não tem perspectiva concreta de quando a normalidade poderá ser plenamente retomada e de como será feito este processo.

    Quando as aulas forem retomadas os professores vão avaliar o nível de aprendizagem dos estudantes, ver o que eles aprenderam, e só depois o conteúdo novo será retomado, "Teremos um ano atípico, não vamos dar conta de todos os conhecimentos deste ano, mas a preocupação e garantirmos a vida.

    Nós sabemos que ficarão lacunas pedagógicas do ano de 2020, mas isso, com o empenho dos alunos, dos pais e dos professores poderemos recupera, mas a vida não, por isso estamos trabalhando da melhor forma possível.


Fonte: Jornal da Manhã

Semana Estadual de Prevenção à Violência Escolar

Entre os dias 22 a 26 de junho, ocorre a Semana Estadual de Prevenção à Violência Escolar.







II Seminário Virtual alusivo ao Dia internacional de combate ao uso indevido de drogas

Convidamos para o Webinar alusivo a semana Cipave+, que ocorre no dia 26 de junho. 

  É preciso se registrar para entrar neste evento. Se você não for registrado, registre-se agora.

Todas as informações estão nos cards abaixo:










Webconferência sobre Prática da Educação Física nos Anos Iniciais



    Nesta segunda-feira (15), a 36ª Coordenadoria Regional de Educação promoveu mais uma webconferência para a área da Educação Física nos Anos Iniciais. 

    Desta vez, a convidada foi a Professora Marina Odete Kuss, licenciada em Educação Física pela Aprocruz, especialista do movimento pela Unicruz. Este foi o 2º encontro previsto para o mês de junho.

    A abertura do encontro foi feita pelo Coordenador Regional de Educação, Cláudio da Cruz de Souza, e foi mediado pela Assessora Pedagógica da CRE, Rosane Bieler Menezes. 
A professora tratou sobre o currículo no que tange os conteúdos, BNCC e competências, além de trazer referências de materiais trabalhados por ela, guiando o afazer dos professores.

   A formação continuada Módulo II, abordou questões bem práticas para as aulas de Educação Física nos Anos Iniciais, destacando dentro de cada Eixo Temático do Componente Curricular, sugestões de atividades para elaboração do plano de trabalho, inclusive para este momento de aulas remotas.







Apresentação  abaixo:




Por: Lucas Junges

Webconferência Modelo Híbrido de Ensino


    Na manhã de sexta-feira (12), foram reunidos os representantes das 60 escolas de abrangência da 36ª Coordenadoria Regional de Educação para serem repassadas orientações sobre o Modelo Híbrido de Ensino.

  O encontro virtual foi feito em duas etapas, dividido em dois grandes grupos, denominados MHE 1, 2 e 3 e MHE 4, 5 e 6. Ao todo foram reunidos mais de 180 participantes.

   A Webconferência aconteceu sob a responsabilidade do Coordenador Cláudio da Cruz de Souza, da Coordenadora Pedagógica Eveline de Souza Eberle, e do Coordenador do NTE José Augusto Fiorin. 

    Foram repassadas orientações específicas sobre o cadastro de professores e alunos no @educar, e o acesso às salas moodle no ambiente institucional da Secretaria Estadual da Educação, além de sanar dúvidas dos diretores, coordenadores pedagógicos e demais envolvidos das escolas .Foram realizadas diversas simulações de tarefas desempenhadas no cotidiano, bem como problemas encontramos e a forma de os solucionar. 

   As aulas remotas são uma forma de garantir o aprendizado. No entanto, com isto surgem várias dúvidas quanto a forma de acesso. Para isso, a Seduc irá garantir  a preparação de professores e alunos para este novo momento, oferecendo todo o suporte para professores e estudantes.

  A Seduc disponibilizará internet patrocinada no celular, exclusivamente para conteúdos educacionais, para alunos e professores que não possuem acesso.

   Para aqueles que não possuem aparelho celular as escolas funcionarão em regime de plantão com agendamento, respeitando todos os protocolos de saúde, para que possam utilizar a estrutura da instituição de ensino.

  Já nos casos de alunos que não tenham nenhuma possibilidade de acesso digital, as coordenadorias e as escolas farão a entrega de conteúdo diretamente na casa dos estudantes.









                                              Assista a Web completa abaixo:






Por: Lucas Junges

Webconferência Diálogos Transformativos


 Nesta quarta-feira (10), aconteceu o primeiro encontro da formação continuada para orientadores educacionais. O encontro foi feito por meio de uma webconferência, e contou com a participação de Diretores, Orientadores Educacionais e Professores responsáveis pela CIPAVE+ na escola .

     O evento teve o propósito de acolher, informar e orientar a todos para que possamos entender e conviver com a atual situação de afastamento social em época de pandemia.


     Este evento foi promovido pelo Setor de Apoio Escolar e CIPAVE+ da 36ª Coordenadoria Regional de Educação,  e contou com o apoio do Núcleo de Tecnologia Educacional.


     A webconferência foi aberta pelo Coordenador Regional de Educação, Cláudio Souza e conduzida pelo psicólogo Paulo Moratelli e pela pedagoga Elisa Chagas. A conversa foi mediada pela Assessora Cipave + e setor de apoio escolar da 36ª CRE. 


     Paulo Moratelli é psicólogo, delegado da Sociedade Científica de Justiça Restaurativa (Espanha), membro do Conselho Consultivo Global da JR (EUA), instrutor e facilitador de Círculos Restaurativos. Maria Elisa Chagas é pedagoga, especialista em gestão escolar, facilitadora e instrutora de círculos restaurativos.







Assista a Web completa abaixo:



Webconferência trata sobre a Educação Física nos Anos Iniciais


Na tarde desta segunda-feira (08), a 36ª Coordenadoria Regional de Educação promoveu uma webconferência sobre a Educação Física nos Anos Iniciais. Esta foi a primeira etapa da série de 4 encontros propostos para o mês de junho.
O encontro foi mediado pela Assessora Pedagógica da CRE Rosane Bieler Menezes, que trouxe como convidada para este primeiro momento para tratar do Módulo 1 “Infância e o ser criança no contexto da Educação Infantil” a Professora Viviane Ceratti, mestre em Educação Física Escolar. Entre os diversos temas tratados, Viviane abordou a importância da transição, para que haja esse diálogo entre as etapas Educação Infantil e Ensino Fundamental, tendo um olhar e escuta sensível por parte do professor. Outro aspecto abordado foram os direitos de aprendizagens conforme a BNCC -2017, para que haja uma continuidade do processo pedagógico ensino- aprendizagem. Como ementa, o módulo 1 objetiva refletir e problematizar o universo da infância, e as singularidades do ser criança na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental no contexto das aulas de Educação Física. O brincar, o se movimentar e a realidade dos espaços/tempos na escola. O próximo encontro ocorre na próxima segunda-feira (15), trazendo como convidada a Professora Marina Odete Kuss, que irá tratar sobre o currículo no que tange os conteúdos e BNCC.








Apresentação  abaixo:





Por: Lucas Junges

"Não deixaremos nenhum aluno para trás"

Coordenador da 36ª CRE, Cláudio de Souza
Suspensas no Rio grande do Sul desde o dia 19 de março, às aulas na redes pública e privada voltaram no modelo de ensino remoto. Consideradas prioridades do plano de retomada das atividades escolares do Estado, as aulas remotas serão oferecidas na rede pública pela plataforma Classroom, do Google for Education, e incluirão a criação de mais de 300 mil ambientes virtuais.
Para contornar as dificuldades de conexão, a Assembleia Legislativa contribuirá com R$ 5,4 milhões, ao longo de 12 meses, para que a Secretaria Estadual da Educação (SEDUC) garanta a oferta de capacidade extra para smartphones cadastrados de até 900 mil alunos e professores. Serão R$ 450 mil mensais para custear a parceria com operadoras de telefonia.
Em entrevista ao Grupo JM, o responsável pela 36ª Coordenadoria Regional de Educação, Cláudio de Souza, ressalta que a área da educação tem sido um dos grandes desafios para os governos. “Ainda não tem uma data precisa para o retorno das aulas presenciais, até lá, seguem os aprendizados e desafios dessa mudança tão repentina. É preciso todo um cuidado de preparo e de organização para de fato decidirmos por um retorno presencial.
O governador tem dito, em todas as suas falas, que a preocupação neste momento no Rio Grande do Sul tem sido pela vida, e nós concordamos no que tange a área da educação. A nossa maior preocupação é garantir a continuidade do ano letivo. É importante que os pais saibam que vamos concluir o ano letivo de 2020. Garantir os direitos e objetivos de aprendizagem mínimos, porque e um ano atípico, não vamos conseguir trabalhar todos os conteúdos previstos para um ano normal, por isso foi construído uma matriz de referência para o modelo híbrido, que traz ali um perfil de saída tanto o Ensino Fundamental como para o Ensino Médio, informando que o perfil de saída, e aquilo que de fato o aluno precisa aprender para passar para o ano seguinte”, explica o coordenador.
Segundo Souza, o governo garantirá o ensino remoto para todos os níveis da rede pública na modalidade híbrida, com uso de tecnologia e a disponibilização de materiais aos pais ou responsáveis com dificuldade de acesso via internet. “Não deixaremos nenhum aluno para trás”, garante.
Ao ser questionado sobre como será o processo de avaliação, o coordenador da 36ªCRE informa que ainda não está definido. “Hoje a avaliação na rede estadual e por notas e precisamos evoluir neste aspecto. A avaliação pode ser de duas formas: a diagnóstica, que é aquela que só pode fazer presencialmente com o aluno, a qual é testado os conhecimentos e as habilidades que o aluno construiu, mas neste momento que estamos com aula não presencial, estamos com a avaliação transitória. Nesta semana, os alunos irão devolver as atividades das aulas programadas no período de 19 de março a 30 de abril, mas  não estamos preocupados agora com a nota e sim como o processo de aprendizagem dos alunos. Este é um ano letivo diferente, estamos reinventando a educação”.
De acordo com Souza, hoje e amanhã os professores irão planejar atividades de revisão dos conteúdos programados, Já nos dias 4, 5 e 6 os professores encaminharão as novas atividades correspondentes ao período de 8 a 27 de junho. Neste período, as escolas estarão abertas para esclarecer as dúvidas dos pais.
Para o dia 15 de junho, está programada a segunda etapa, com volta de atividades presenciais essenciais para conclusões de técnicos, graduação, pós-graduação e cursos livres, profissionalizantes e de idiomas.


Fonte: Jornal da Manhã

Começa implantação das Aulas Remotas na Rede Estadual de Ensino


Começou a implantação das Aulas Remotas na Rede Estadual de Ensino. A iniciativa compõe o modelo híbrido de ensino, que também compreende as aulas presenciais, sem data de retorno.  A ação, que segue ao longo do ano letivo de 2020, irá proporcionar, por meio do Google Classroom, a criação de mais de 37 mil turmas espelhadas e mais de 300 mil ambientes virtuais divididos por componentes curriculares. O projeto ainda oferece, em parceria com a Assembleia Legislativa, um pacote de dados de internet personalizado para alunos e professores. Acesse o hotsite clicando aqui
De acordo com o secretário estadual da Educação, Faisal Karam, a prioridade à proteção da vida de alunos, professores e funcionários fez com que a Seduc acelerasse a implementação de recursos tecnológicos que assegurarão a continuidade do ano letivo aos alunos da Rede Estadual de Ensino. “Diante da implementação das Aulas Remotas, garantiremos a preparação de professores e alunos para este novo momento.  Faremos uma adaptação frente a esta nova realidade, oferecendo todo o suporte para professores e estudantes”, destaca.
Calendário de Preparação
Para que todos estejam preparados para a utilizar a plataforma, a Secretária Estadual da Educação do Rio Grande do Sul realizará capacitação durante os meses de junho e julho, em duas etapas, com os professores e estudantes da Rede Estadual de Ensino.
A primeira etapa, chamada de Ambientação Digital, ocorrerá entre os dias 1º e 13 de junho e envolverá o processo de inserção dos professores e alunos na plataforma Google Classroom. Nesse período, serão detalhadas as informações de acesso, como login e senha, para que todos possam iniciar o período de capacitação. Aqui, os estudantes e educadores iniciam o processo de aprendizado sobre a utilização de todos os recursos disponíveis na plataforma.
A segunda etapa, que começa em paralelo no dia 8 de junho, promoverá as capacitações em Letramento Digital, fornecendo aos professores o conhecimento para a preparação de aulas na forma não presencial. Os conhecimentos digitais dos alunos também serão avaliados nessa etapa, a fim de que seja possível compreender o nível de entendimento sobre a plataforma de ensino. A partir do resultado dessa avaliação, será possível reforçar aspectos que não estejam claros aos estudantes, para que, em seguida, possam iniciar as lições.
A partir do dia 29 de junho, iniciam as aulas que utilizam a Matriz de Referência, definida por componente curricular de cada ano. Esta matriz será norteadora das aprendizagens para este novo modelo híbrido (presencial e não presencial).
Recursos tecnológicos
Através da plataforma Google Classroom serão criadas todas as turmas por escola e disciplina com todos os alunos e professores alocados automaticamente.  O espaço virtual ainda irá contar com recreio, sala dos professores, serviço de orientação educacional (SOE), coordenação pedagógica e salas exclusivas para capacitação dos educadores.
As formações dos professores serão divididas nos seguintes tópicos: Google Chrome, Google Gmail, Google Documentos, Google Planilha, Google Drive, Google Agenda, Google Forms, Google Meet, Google Apresentações, Google Classroom, Oficina de Práticas Pedagógicas sobre Aprendizagem baseada em problemas, Oficina de Práticas Pedagógicas sobre Sala de Aula Invertida e Oficina de Práticas Pedagógicas com TICs Educacionais (Tecnologias da Informação e da Comunicação).
Acesso à internet
A Seduc disponibilizará internet patrocinada no celular, exclusivamente para conteúdos educacionais, para alunos e professores que não possuem acesso.
Para aqueles que não possuem aparelho celular as escolas funcionarão em regime de plantão com agendamento, respeitando todos os protocolos de saúde, para que possam utilizar a estrutura da instituição de ensino
Já nos casos de alunos que não tenham nenhuma possibilidade de acesso digital, as coordenadorias e as escolas farão a entrega de conteúdo diretamente na casa dos estudantes.
Fonte: SEDUC RS

Siga nossas redes sociais